Setor de Ciências Biológicas

Produzindo Ciência – Espécies Invasoras Marinhas

 

 

O pesquisador Daniel Lins, do Programa de Pós-Graduação em Ecologia e Conservação da UFPR, estudou durante o mestrado um conjunto de espécies invasoras marinhas da Classe Ascidae e seus impactos econômicos e ecológicos. As ascídias sésseis são animais invertebrados que se fixam a superfícies, ao fundo de embarcações e em cultivos marinhos.

A pesquisa foi realizada em âmbito global, selecionando 19 espécies das mais de 3.000 existentes. Foram feitas análises de riscos e previsões de possíveis expansões dessas espécies em locais que já há ocorrência e a possibilidade do surgimento em outros ambientes. “Fizemos uma previsão, uma análise risco, da expansão das populações que já existem e da introdução da invasão em novas regiões.”, explica Lins.

O método utilizado para o estudo foi a modelagem de nicho, onde foram cruzadas informações da literatura existente sobre o registro dos locais onde há ocorrência dessas espécies com as variáveis ambientais favoráveis para sua proliferação.                 A partir da comparação das informações, foi possível listar os lugares que possuem condições parecidas com os lugares onda já há indícios das ascídias, descrevendo para costa marinha do mundo inteiro a probabilidade da ocorrência desses animais. Como resultado obtido, foi constato que todas as 19 espécies estudadas possuem a capacidade de se expandir, tanto nos lugares já instalados como em novos locais.

Um dos fatores que contribui para a propagação das espécies invasoras é a Água de Lastro, que é a água coletada pelas embarcações para manter seu equilíbrio e estabilidade durante a viagem. Quando essa água é recolhida, além do líquido, também são coletados as Ascídias, sendo transportadas para outros locais e também se aderindo à superfície dos barcos e navios, demandando sua limpeza e manutenção. “Quanto mais recorrentes forem essas introduções, maior é chance dessas espécies se estabelecerem como invasoras, danificando os sistemas ecológicos em geral”, salienta o pesquisador.

As expectativas após a realização da pesquisa é que ela possa servir como direcionamento para outros estudos, como os de genética de população, que estuda as espécies com maior capacidade de invasão. Além disso, Daniel conta que é necessário um monitoramento mais rigoroso acerca desses animais. “A legislação da maioria dos países controla, de certa forma, a introdução desses bichos, mas ainda não está sendo efetivo.”

Redes Sociais

UFPR no Facebook UFPR no Twitter UFPR no Youtube
Universidade Federal do Paraná
Setor de Ciências Biológicas
Avenida Coronel Francisco H. dos Santos, 100
Caixa Postal: 19031 - Fone: (41) 3361-1799
Centro Politécnico - Jardim das Américas
CEP: 81531-980 - Curitiba (PR), Brasil

UFPR no Facebook UFPR no Twitter UFPR no Youtube
Setor de Ciências Biológicas
Av. Cel. Francisco H. dos Santos, 100
Caixa Postal: 19031 - Fone: (41) 3361-1799
Centro Politécnico - Jardim das Américas
CEP: 81531-980 - Curitiba (PR), Brasil

Imagem logomarca da UFPR

©2017 - Universidade Federal do Paraná - Setor de Ciências Biológicas

Desenvolvido em Software Livre e hospedado pelo Centro de Computação Eletrônica da UFPR