Projetos de pesquisa

De maneira geral, os projetos de pesquisa do LMV-UFPR envolvem a utilização de ferramentas biotecnológicas, como a micropropagação, para o cultivo in vitro de plantas visando sua caracterização morfoanatômica, conservação, multiplicação massal e estudos bioquímicos e moleculares aplicados às rotas morfogenéticas de embriogênese somática e organogênese.

Alguns dos projetos vigentes são:

Análises fisiológicas, bioquímicas e morfoanatômicas durante a morfogênese de Podocarpus lambertii Klotzch ex Endl. e Araucaria angustifolia (Bertol.) Kuntze

Descrição: A indução e controle da morfogênese in vitro oportunizam o estudo da célula, tecido, órgão ou organismo inteiro. Dentre as possíveis rotas morfogenéticas in vitro destacam-se a embriogênese somática (ES) e a organogênese. Essas rotas morfogenéticas são acompanhadas por alterações bioquímicas e morfoanatômicas expressivas no ambiente das células e seus componentes que necessitam ser monitorados, trazendo informações relevantes e complementares. Neste sentido, o presente projeto tem como objetivo geral o uso de abordagens biotecnológicas, como a ES e a organogênese, para o estudo da morfogênese de duas coníferas nativas do Brasil, Araucaria angustifolia e Podocarpus lambertii, visando sua caracterização, propagação e conservação. Os resultados a serem obtidos no presente projeto permitirão uma maior compreensão dos aspectos bioquímicos e morfoanatômicos associados ao processo de morfogênese in vitro das espécies-alvo, bem como irão gerar informações relevantes sobre a importância da manipulação das condições de cultivo durante o estabelecimento de protocolos eficientes para micropropagação. Os resultados aqui obtidos possibilitarão ainda estabelecer estratégias mais robustas para a conservação e o uso das espécies-alvo do projeto e avançar no conhecimento científico subjacente a estas (bio)tecnologias.

Integrantes: Hugo Pacheco de Freitas Fraga – Coordenador / Miguel Pedro Guerra – Integrante / Leila do Nascimento Vieira – Integrante / Luciana Lopes Fortes Ribas – Integrante / Marguerite Quoirin – Integrante.

Financiador(es): CNPq

Biotecnologias aplicadas ao uso, conservação e propagação de espécies de Myrtaceae nativas do Brasil

Descrição: O presente projeto visa o estudo de três espécies de Myrtaceae nativas do Brasil: araçazeiro (Psidium cattleianum), gabirobeira (Campomanesia xanthocarpa) e jabuticabeira (Plinia sp.), com potencial de uso como espécies frutíferas, medicinais e para produção de polissacarídeos. A maioria dessas espécies tem a sua distribuição restrita às regiões Sudeste e Sul do país e fazem parte do bioma da Mata Atlântica. Tendo em vista a preservação desse bioma e a grande representatividade da família Myrtaceae, esforços são necessários para a utilização dos recursos naturais desta família de maneira sustentável e que ofereçam a possibilidade da conservação das espécies. Essas espécies são, em geral, gradativamente eliminadas da floresta nativa devido ao desmatamento, sendo exploradas por extrativismo e apenas parcialmente domesticadas. A propagação via sexuada é limitada pela recalcitrância e dificuldade de armazenamento das sementes, e a produção de mudas por técnicas de macropropagação é pouco eficiente. Neste sentido, o projeto permitirá estabelecer a cultura de tecidos in vitro dessas espécies para fins de conservação e propagação, assim como estudar a estrutura química de pectinas extraídas de frutos. Os resultados obtidos vão constituir fundamentos para aplicações em biotecnologia vegetal assim como nas áreas alimentícia, cosmética, biomédica e farmacêutica.

Integrantes: Hugo Pacheco de Freitas Fraga – Integrante / Luciana Lopes Fortes Ribas – Integrante / Marguerite Quoirin – Coordenador / Joana Lea Meira Silveira – Integrante.

Financiador(es): PRPPG-UFPR

 

Conservação de orquídeas ameaçadas de extinção da Mata Atlântica por meio de banco de sementes e micropropagação

Descrição: O projeto tem como objetivo a conservação ex situ de orquídeas que correm risco de extinção por meio de banco de sementes, germinação assimbiótica e micropropagação. A UFPR tem parceria com OSSU (Orchid Seed Stores for Sustaintable Use). Com o auxílio de alunos de mestrado e iniciação científica tem sido avaliadas as melhores condições de armazenamento (temperatura e tempo), de germinação in vitro e técnicas de micropropagação mais apropriadas para propagação em grande escala de espécies de orquídeas e micro-orquídeas.

Integrantes: Luciana Lopes Fortes Ribas – Coordenador / Erika Amano – Integrante / Eric C Smidt – Integrante / Franciele Marx Koene – Integrante / Julio Amatuzi – Integrante.

 

Germinação assimbiótica e propagação in vitro de espécies da Subtribo Pleurothallidinae (Orchidaceae)

Descrição: A Subtribo Pleurothallidinae pertence à familia Orchidaceae e é constituída de 4100 espécies, sendo conhecida como micro-orquídeas, devido ao tamanho das plantas. Muitas dessas espécies estão restritas a um dos biomas mais ameaçados, a Floresta Atlântica. As sementes de orquídeas são minúsculas e possuem poucas reservas nutricionais, sendo que para que a germinação e o desenvolvimento em plântula ocorram na natureza é necessária a presença de fungos micorrízicos. Além disso, são escassas as informações de cultivo dessas espécies. A germinação assimbiótica representa o sistema ideal para estudar o crescimento e desenvolvimento de sementes e plântulas de orquídeas e as técnicas de cultura de tecidos são alternativas para a propagação massal das espécies. Com isso, o presente estudo tem como objetivo estabelecer protocolos de conservação, germinação assimbiótica e propagação in vitro de espécies de orquídeas de gêneros pertencentes à subtribo Pleurothallidinae para a produção de mudas em grande escala e reintrodução de plantas em seu habitat natural.

Integrantes: Luciana Lopes Fortes Ribas – Coordenador / Erika Amano – Integrante / Eric C Smidt – Integrante / Hugo Pacheco de Freitas Fraga – Integrante / Leila do Nascimento Vieira – Integrante / Rogério Mamoru Suzuki – Integrante.

 

Micropropagação de espécies lenhosas

Descrição: Esse projeto tem como objetivo desenvolver protocolos de micropropagação para espécies lenhosas, principalmente mogno (Swietenia macrophylla), guanandi (Calophyllum brasiliense), imbuia (Ocotea porosa), pau andrade (Persea major), erva mate (Ilex paraguariensis), jabuticabeira (Plinia trunciflora) e guabirobeira (Campomanesia xanthocarpa). No âmbito deste projeto, são desenvolvidas técnicas de organogênese direta e indireta e de embriogênese somática. No caso da organogênese, a pesquisa terá como objetivo específico o estabelecimento de clones e/ou tecidos in vitro, a obtenção de meios de cultura eficientes para a multiplicação de brotos, alongamento e enraizamento e determinação das melhores condições de aclimatização. No caso da embriogênese somática, os objetivos serão a obtenção de calos e massas embriogênicas, de embriões nos diferentes estágios de desenvolvimento e conversão em plântulas.

Integrantes: Marguerite Germaine Ghislaine Quoirin – Coordenador / Juliana Degenhardt – Integrante / Rodrigo Cordeiro da Silva – Integrante / Sheila Susy Silveira – Integrante / Poliana Graf Cordeiro – Integrante / Jéssica de Cássia Tomasi – Integrante / Fabrícia Lorrane Rodrigues Oliveira – Integrante / Amanda Caldas Pereira – Integrante / Bruno Francisco Sant´Anna dos Santos – Integrante.
Financiador(es): EMBRAPA – FLORESTAS – Outra.

logo-lab-branco

©2021 - Laboratório de Micropropagação Vegetal
Desenvolvido em Software Livre e hospedado pelo Centro de Computação Eletrônica da UFPR